Quinta, 23 de Setembro de 2021
27°

Poucas nuvens

João Pessoa - PB

Polícia FALSUM LATERE

Polícia Federal deflagra operação contra desvios de verbas públicas em prefeitura da Paraíba

A investigação tem o objetivo de apurar um suposto esquema envolvendo uma rede de prestadores de serviço e servidores contratados "fantasmas"na Prefeitura Municipal de Mulungu/PB

21/07/2021 às 09h29
Por: Valdemir Zilan Fonte: Isabela Melo
Compartilhe:
Polícia Federal deflagra operação contra desvios de verbas públicas em prefeitura da Paraíba

A Polícia Federal na Paraíba deflagrou, na manhã desta quarta-feira (21), a Operação Falsum Latere. Policiais Federais, acompanhados de servidores da CGU, procederem buscas em quatro endereços ligados aos investigados na cidade de Mulungu, na Paraíba.

 

A operação cumpre mandados de busca que foram expedidos pela 12ª Vara Federal na cidade de Guarabira, na Paraíba.

 

A investigação tem o objetivo de apurar um suposto esquema envolvendo uma rede de prestadores de serviço e servidores contratados "fantasmas"na Prefeitura Municipal de Mulungu/PB.

 

Segundo representação criminal formalizada por alguns vereadores do município mencionado, posteriormente aprofundadas por uma análise da Controladoria Geral da União - CGU, tais contratados “fantasmas” após receberem os valores os repassariam para um funcionário da empresa de um dos secretários municipais, tendo tais condutas já causado um total de R$ 224.801,28 (duzentos e vinte e quatro mil oitocentos e um reais e vinte e oito centavos) de danos ao erário. Inclusive, recursos da saúde oriundos do Governo Federal para enfrentamento à COVID-19.

 

Fo verificado que os prestadores de serviços “fantasmas” contratados pela Prefeitura Municipal de Mulungu/PB, deveriam fazer serviços de apoio junto a Agentes de Saúde e da Vigilância Sanitária nas atividades de enfrentamento ao Coronavírus, tendo a apuração realizada encontrado indícios de que os serviços contratados não teriam sido prestados, sendo que posteriormente valores (ou parte destes) eram repassados a "operadores” que seriam funcionários de uma empresa do ramo cerâmico que seria de propriedade de um dos secretários municipais.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias